Vai acontecer no tempo certo.

Sei da sua irritação quando disseram que era só uma questão de tempo, que ia acontecer no tempo certo é que as coisas não são na velocidade que a gente deseja. O natural é pensar que depois é tarde demais.

A questão é que o depois é justamente o tempo de maturação das idéias, dos conflitos, dos ciúmes, dos gostos diferentes, do amor em si.

A gente não nasce pronto, pra absolutamente nada, imagina se estaríamos prontos pra amar um grande amor, que pode até não ser único, pode sequer ser duradouro.. A questão é que amar e ser amado implica em amor próprio, auto conhecimento, expansão de limites, concessão de vontades, nós não nascemos prontos pra tudo que o amor exige de nós, e muitas vezes não estamos prontos quando ele chega, então é preciso aguardar o demorado “tempo certo”.

O certo do tempo, é que ele faz o que quer, o que bem entende, e no seu próprio ritmo. Inumeráveis os poetas que tentaram acordos com essa entidade, sem sucesso. Pois o tempo e o amor, todas as formas de tempo, e todas as formas de amor, caminham num ritmo que não podemos compreender tampouco alcançar. Mas quando se unem, o amor e o tempo, a gente fica junto por horas, dias, semanas e nem vê o tempo passar.

Pode não ter sido a primeira vista, ao primeiro beijo, depois da primeira briga, pode não ser no primeiro mês e nem no primeiro ano. No tempo certo, o amor e o tempo vão chegar pra quem soube aguardar. Quando já parece calmo, quase manso, quando olhamos no espelho pra dizer: “ele/a tinha razão!” como se o outro nos pudesse ouvir.

O tempo certo nunca é preciso e pode ser que não venha, e caso venha já passou do tempo de dizermos: me perdoa, era amor demais e não sabia o que fazer.

O tempo certo é quando sabemos o que fazer, e sabemos principalmente, dizer que não sabemos o que fazer quando realmente for o caso. Ao invés de arriscar qualquer reação louca e meter os pés pelas mãos. Quando sabemos que aquele ciúme que vem e  rasga o estômago: é amor. Quando aquele tom mais precipitado se dissolve num beijo com pedido de desculpas, quando você tolera aquela meia aparecendo através da calça, quando ela tolera mais uma partida de videogame antes de sair, É quando você toma a saideira algumas horas antes do habitual, pra não dar trabalho à noite, e não se trata do que o outro quer, se trata de querer o outro, no melhor de si.

Se hoje parece não ter solução, se não vai passar nunca, se agora cada esforço parece ter sido em vão, eu arrisco um conselho: se não era seu, mesmo que pareça enorme, infinito, o tempo leva embora. Caso seja pra você, fica tranquilo, vai acontecer: no tempo certo.

olha pra mim

Porque é nos olhos que ela carrega toda a beleza de ser quem é, embora desconfie de si mesma. Embora ela ache que não sabe pra onde vai, seu olhar diz que ela não precisa ir a lugar algum pra estar em todos os lugares, é nos olhos que ela leva toda a leveza De ir onde quer, como quer.
É com os olhos que ela me tira o chão, percebe os meus mais sutis gestos, ela repara nas minhas expressões, e me abraça desde o outro lado da sala.
Vezenquando fico só olhando ela falar, os olhos desmentindo um a um os exageros da narrativa, ela percebe, os meus também não mentem.
Ficam envergonhados e quase sempre confusos, as retinas refletem o que vê do mundo, e é refletido nelas todo um maravilhoso universo de sensacoes, que é o que vem de dentro.
É nos olhos que ela carrega toda a minha certeza.

Pode ser que sim.

– Você ta maluca? Como você some assim? Eu te procurei em todos os lugares, e ninguém quis me falar nada. Eles sabiam não é? Porque você não me contou? O que eu fiz? O que aconteceu?

Oi, Calma… olha, eu sei que eu sumi, e que te deixei sem notícias de mim, e que isso não é certo, a gente sempre se da notícias. me Desculpa!

– O que ta acontecendo com você?

Antes que você queira me interromper, por favor: não fala nada, quando eu acabar de falar você diz o que quiser, mas eu fiquei essa semana acampando, ouvindo Beatles e pensando na minha vida.Pensando em como eu era quando criança, em como eu cresci, em tudo que eu sonhei pra mim, e no que eu realmente sou agora.

Eu passei muito tempo tentando ser o que eu não era, durante muito tempo eu vivi uma fantasia, um protótipo de personalidade desejada e ensaiada, e eu não quero mais isso. Acho que ta na hora de ser o que eu realmente sou.

Não fala nada, por favor, espera…

E o que eu realmente sou as vezes grita dentro de mim. Não adianta. Eu sou apaixonada por você. Você é tudo que eu sempre quis, uma companhia perfeita, alguém pra dividir comigo os momentos, pra brincar, pra se divertir com nada, pra fazer planos absurdos e acreditar neles, pra criar histórias loucas, pra narrar histórias, pra cozinhar junto, pra dormir junto, pra brigar comigo quando eu estiver sendo muito infantil, pra me mandar sair da cama e ver o quanto a vida é bonita, e pra eu ter que empurrar da cama as vezes e abrir as janelas pro sol entrar nessa total nebulosidade que se forma quando você se fecha dentro do que também te aflige. Não adianta, eu vou ter ciúme sempre, eu vou chorar sempre, eu vou sempre querer mais do que eu posso, porque você é a personalidade, a imagem, o jeito, o cheiro, o toque, o tom, as cores e o sexto sentido que me transborda. Você não me completa, você não é minha metade, não é a parte que falta em mim, você é mais, você me transborda por todos os lados, em todos os cantos.

Pensei, pensei muito, e depois repensei, e não, eu não to inventando um amor, um sentimento, uma paixão, não to confundindo com admiração, nem nada. Eu sei o que voce pensa, eu prevejo o que você quer, eu sinto o que voce sente, quando a gente não precisa falar pra se entender, quando o seus olhinhos seguram o choro como está fazendo agora, quando você cala, ou quando muda o tom pra conseguir que eu faça o que quer, eu sei todos os seus tons, e a vibração exata pra afinar os seus acordes.

Voce torna todas as minhas combinações possíveis, você torna qualquer programa um bom programa, eu nunca vi nada como a nossa afinidade, e é por isso…

– Por isso o que?

E é por isso que eu preciso ir embora.

– Não!

Por favor, não fala nada, até eu terminar.

– Nãao!

Eu preciso ir embora, porque eu jamais vou ser pra você além do que eu sou, e isso vai me machucar todos os dias quando eu lembrar que não posso ser pra você o que eu mais quero ser, eu vou lembrar sempre que não vou alcançar por mais que pareça perfeito, eu sei que não posso querer nada além. É o fim da linha pra mim. Limite, ele existe e nós chegamos, você entende?

– Eu não quero que você vá.

E eu também não quero ir, mas eu preciso. Você vive dizendo que eu devo me amar, me respeitar, me aceitar, fazer as coisas que realmente quero fazer e etc… pois bem. Todos os dias de alguma forma eu desejo um tipo de relação com você além dessa amizade incrível, que realmente é incrível. Mas eu quero viajar pra fazenda que eu ia quando era criança e dormir abraçada, depois levar o seu café e no dia seguinte enrolar mais na cama enquanto você sai pra cavalgar. Eu quero ver Paris e te beijar na Champ de Mars. Eu quero te tacar uma bola de neve sem você estar esperando e morrer de rir enquanto você tenta me acertar. Eu quero almoçar com você no intervalo do trabalho e comemorar com você as minhas promoções. Eu quero dizer de manhã o quanto você é linda e como você tem esse jeito só seu de piscar os olhos…

– Para!

Paula, todos os dias isso me machuca um pouquinho. E esse pouquinho todos os dias ta se transformando numa feria enorme que eu não sei até quando posso aguentar.

– Eu te amo!

Para de chorar, por favor, você não ta me ajudando.

– Você acha que isso é fácil pra mim? É a mesma dor!

Eu não posso mais me sacrificar dessa forma. Eu espero do fundo do meu coração que você entenda. Eu realmente preciso ir.

– Eu te amo. Eu quero que você fique. Eu vou tentar.

O que?

– Eu vou tentar! Se você está disposta a ir embora da minha vida pra não se machucar, eu to disposta a tentar ficar com você, do jeito que você quiser.

Paulinha, minha linda. Você percebe que não tem jeito? Assim como isso me machuca um pouquinho todos os dias, vai te machucar um pouquinho todos os dias até o momento que você não aguentará mais. Eu não quero isso pra você, a gente precisa ser o que a gente é, e eu entendo que não é isso que você quer, eu entendo que não é isso o que você sente…

– Mas pode ser! A gente não tentou, não é? Eu não tentei, nunca me permiti sentir, sempre tive medo de sentir na real! Eu quero arriscar!

Isso vai ser imensamente frustrante pra mim quando a gente perceber que não dá pra forçar ser o que não somos. Eu já aceitei. Eu quero te ver bem, feliz, e com um cara que te de todo o valor que você merece, que te faça mais, muito mais realizada do que eu possa pensar, porque eu te amo muito mesmo, e tudo o que eu espero é que você seja irremediavelmente feliz

– E eu não vou ser se você não estiver por perto. Não da pra fingir que você morreu, não posso ignorar toda a saudade que vou sentir. Isso tudo é porque? Por ausência de beijo na boca, carinho e sexo? Isso é porque nunca me dispus a dormir com você a planejar uma vida? Eu topo! Eu planejo! Eu transo! Eu caso! Eu quero!

Paula,

– Luciana, eu caso. Casa comigo?

Eu não sei se isso…

– C A S A C O M I G O ? Não me interessa. Você não vai embora assim, eu fui covarde todo esse tempo e te machuquei tanto, eu nunca quis te machucar assim! Lu, eu te amo. Falo sério, olha pra mim!

Não sei se é uma boa idéia!

– Eei, idiota! Você vai tentar esconder de mim essa euforia toda querendo saltar no seu sorriso? DE MIM, você acha que pode esconder?

Eu estou com medo!

– Eu nunca vi ninguém sorrir com medo.

Eu estou realmente com medo.

– Então me beija.

Paula, você não acha que…

– Vamos descobrir juntas. Você não pode decidir sozinha. Eu quero.

Eu tenho medo de a gente…

– Não fala mais nada, ta?

Ta bem…

Caio, eu não gosto quando caio.

Sabe Caio,

As vezes a barra pesa mesmo e a gente tem que continuar andando, junto ou separado. Não, não to me despedindo! Cala a boca! Não é nada com você, é só desabafo, para de se afobar.

Hoje ficou ruim pra mim, sabe? tudo! Essas coisas que a gente não pode controlar da vida, e várias outras mais.

Lembra quando te contei daquele sonho esquisito onde tudo que eu fazia voltava do inicio? ele voltou! E ai pra completar agora fico com medo de dormir. Ai arranjo coisas pra fazer a madrugada inteira e depois durmo quando tem luz. Como se a presença da luz nos livrasse de algum mal. Teve um dia que eu tava dormindo na sua casa, um dos poucos que consegui relaxar, e tive um sonho muito ruim, muito ruim mesmo, eu acordei com sentimento de tristeza enorme e chorei tudo que eu podia, e só você tava ali pra ver que era de verdade o que eu tava sentindo, e eu morri de vergonha que me visse daquele jeito. Senti que você também não sabia muito o que fazer, e nem precisava fazer mesmo, era só ficar ali. Você é bom nessa coisa de só ficar ali, esperando a tempestade passar, firmando o pé.

Nossas tempestades não podem vir juntas Brother! Já tinhamos combinado isso.

As vezes me da uma vontade tremenda de deixar de lado tudo, tudo que eu penso e tudo isso que eu construi até aqui. O que que eu construi até aqui? Nao sei. E não saber me da mais vontade ainda de deixar tudo e começar do zero. Mas mesmo do zero tambem tem expectativas sabe? eu sei que voce sabe. Voce sabe tudo, ja disse.

Olha eu to te escrevendo porque eu to triste mesmo. E não faz mal ficar triste, faz parte da vida tambem né? E esperamos sempre que não dure pra sempre. E não dura, sei que já já a gente ta gargalhando por ai. Mas agora eu to bem triste mesmo, nem colo eu quero. Quero ficar aqui tentando entender porque essa tristeza me machuca tanto, porque tanto murro na ponta dessa faca.

To subjetivo hoje ne? eu sei. tudo bem. Se não puder compreender minha subjetividade nao me importa, hoje eu nao quero nem ser compreendido. Hoje eu to tão triste que não faltei o trabalho, e nem mesmo fumei um maço inteiro. Cara, to tao triste que não tomei nenhuma dose de Vodka. Quero ficar sóbrio e acordado, imaginado soluções, lembrando, pensando, montando… Quando foi que essas coisas aconteceram dentro de mim? Quando foi que essas coisas se perderam? O que ta acontecendo?

Não gosto quando eu caio e fico jogado sem vontade de levantar. Mas as vezes é bom pra descansar desse cai levanta diário.

Não precisa falar nada. Sei que você tambem não está saltitando de alegria. E sei que acredita que essa coisa da industria química farmaceutica vai fuder com minha serotonina, mas eu quero que se foda Caio, eu vou continuar. O ser humano é engraçado. Se droga de tudo quanto é receita azul e proíbe os jovenzinhos de plantar maconha. vai entender.

Tem muita coisa que não entendo Caio, muita coisa mesmo.

E eu gosto quando a gente não entende junto, e da gargalhada do nosso não entendimento.

É bom sentir que alguém não entende junto comigo, entende?

acho que sim.

Danço e invento exclamações alegres!

É engraçado quantas vezes eu já pensei que não fosse mais recorrer a artifícios cibernéticos pra matar a minha saudade. E Nas outras, como dessa vez, eu também achei que é seria a última.

Essa pneumonia acabou comigo, nem um baseado eu pude fumar pro tempo passar diferenciado. Foram semanas nesse quarto antes bem categorizado e agora mais parece um porão. Minha mãe diz que foram duas. Pra mim, foi algo por volta de uma vida inteira.

Tivemos algumas entradas e algumas saídas, mas de certa forma, mesmo quando saia era como se estivesse la. Deitada na cama, imóvel, assistindo o micro inseto caminhar pelo teto. Quanto tempo vivem esses insetos? De onde ele veio? Eu queria saber a história dele. Chamei este de Frank e aquele outro de Mark.

Eu poderia escrever os diálogos intensos que travei com Mark e Frank sobre a existência, mas por hora não desejo escrever sobre tédio.

Sabe, quando a gente se retira, e observa, tudo fica muito mais simples. E pode ter certeza de que o mundo vai fazer o que for necessário pra retirar você do seu melhor ponto de observação, esse é o jogo.

A idéia não é remar contra a corrente, mas a favor dela, no mesmo ritmo. Não se sinta pressionado assim pra fazer o que não quer. Se for inevitável, passe a querer. Cuidado com o conformismo, quando menos esperar vai se perguntar porque não mudou tudo. Então se for necessário reme contra a maré. reme forte, porque a sua força não é maior que a corrente. Se for preciso, consiga quem reme com você.

Me retirei e pude observar toda essa coisa de amor pra sempre, amor sem igual, amor amor… bla bla bla..Não foi tranquilo. E não faz tanto tempo eu exclamei: “Isso não vai passar nunca, já fazem anos!”

Talvez passe. Talvez tenha passado sim.

Eu conheci uma menina e os movimentos dela muito me agradam, a forma como ela se mexe. E quando foi isso que relatei aos amigos, pareceu um motivo de risada. Mas eu gosto mesmo! Eu gosto da forma que ela respira e que inventa sua forma de pronunciar as palavras, mesmo as rotineiras.
Mas principalmente, tudo o que eu não gosto nela, me fez repensar essa maneira rígida que aguardo alguém que caiba em moldes pré determinados.

idade. estilo. formação. sonhos. família. amigos. chefe. influencias. ídolos. garçons. faxineiras. secretaria. cachorro. porteiro. música. irritabilidade. cultura. ego. arte. insegurança. coragem. traumas. loucuras.
. . . . . . .

Nada cabe. Mas o que gosto mesmo é o jeito que ela se mexe. A forma como respira, o piscar repetido dos olhos implorando mais alguns minutos dividindo o travesseiro. as declarações espontâneas no meio da rotina, aparecer de surpresa.

As pessoas deixam marcas na história da gente. Hoje eu tive menos vontade do que já foi e ficou lá pra traz e muito mais vontade de ver essa menina se mexer e sentir ela respirar perto de mim. Hoje eu tive mais curiosidade do que saudade, e fui ainda pelos becos cibernéticos atrás de uma notícia da menina com sorriso bonito que conheci.

Ela se transformou. Se tornou algo de que já haviam indícios, mas eu não poderia mesmo naquela circunstancia acreditar. É, parece que era real, vai aprender tudo o que puder e passar horas lendo poemas e destacando versos na máquina de escrever e eu nem sei mesmo se isso me encanta ou é apenas esse olhar de filme contemporâneo com filtro de filme antigo sobre o que fomos no passado. Já não me traz desejo de viver mais, tampouco reviver corrigindo os absurdos. É apenas um olhar carinhoso, curioso,

Eu sei, e só eu saberia – certos detalhes não mudam – Que ela não usa nunca o símbolo sem o significado, sempre riu das minhas Re-significancias. Vivíamos ‘Memória’, mas dessa vez, de maneira sutil e muito sábia, ela escolheu “Ausência”, também de Drummond. Eu escolho: Amor e Seu Tempo

Amor é privilégio de maduros
Estendidos na mais estreita cama,
Que se torna a mais larga e mais relvosa,
Roçando, em cada poro, o céu do corpo.

É isto, amor: o ganho não previsto,
O prêmio subterrâneo e coruscante,
Leitura de relâmpago cifrado,
Que, decifrado, nada mais existe

Valendo a pena e o preço do terrestre,
Salvo o minuto de ouro no relógio
Minúsculo, vibrando no crepúsculo.

Amor é o que se aprende no limite,
Depois de se arquivar toda a ciência
Herdada, ouvida. amor começa tarde.

Fragmentos do processo criativo

Ela me causa um misto de sentimentos, e é tanto, que não sei descrever. Estou há horas tentando colocar no papel algo que faça sentido, mas nada me parece bom o suficiente, verdadeiro o suficiente, completo o suficiente.

Comecei falando sobre o quanto fico deslumbrada com tanta beleza nos olhos, com um sorriso tão encantador. Achei brega demais. E fiquei pensando que não tem problema: ser brega é o comportamento inegável dos apaixonados, e aí pensei que se estou ponderando tamanha breguice talvez não seja uma paixão.

Então tentei escrever algo um pouco mais contido, falando do misto de sentimentos e do frio no estômago que me da cada vez que ela sai do portão de casa e entra no meu carro. Eu levo um tempo para restabelecer os sentidos e agradeço ao universo a oportunidade de ser eu a estar ali.

“Agradeço ao universo a oportunidade” ” rio no estômago” isso não é nada bom além de continuar brega. É, talvez seja paixão mesmo, o brega segue presente, e por isso não consigo escrever nada que preste.

Será que ela vai saber que estou falando dela? E caso saiba, vai ficar incomodada com tamanha verosimilhança? Será que ela vai se aproveitar do fato de saber que tem o sorriso mais incrível que já vi ? Eu não sei, melhor não escrever isso.

Vou começar o texto assim: Mesmo quando ela me tira do sério por querer que tudo seja desse jeito pré determinado em sei universo particular, ela me tem nas mãos.

Fraco! Lugar comum, menina mimada, cara apaixonado, ela consegue o que quer. Parece sessão da tarde. Melhor falar de como me sinto ao invés de descreve la.

Primeiro posso destacar uma alegria irreal, posso até chamar de euforia. Uma sensação de plenitude no corpo e na alma.

Achei esse parágrafo uma merda.

Não sei lidar com essa dificuldade de expressar sentimentos. Já tentei respiração, meditação, comida, álcool e nicotina. Escrevi no papel, no caderno, no computador e celular, deitada, sentada, e em pé no quadro de avisos.

Ela me causa tantos sentimentos que é como se todos fossem um só, inexprimível. Como se não fosse possível retirar apenas uma fração do sentimento para análise, como se não coubesse dentro do desenho das palavras.

Ela veio como um sonho no cochilo do início da tarde: intenso, profundo e breve. Também me parecem assim as borboletas, quando pousam brevemente em nosso ombro, apenas pra desfilar sua beleza, trazer aquela alegria sutil e esperança de que seja um sinal de sorte pra seguir pelo caminho.

Taí, esse eu gostei, vou usar.

Podemos enfeitar domingos

Eu gosto de ficar em casa no domingo, de mexer com tinta e papel cartão, inventar coisas com caixas de sapato e parafusos, responder uns emails e jogar, gosto de RPG, com aquelas histórias longas com nomes impactantes. Eu estava jogando heart of darkness no computador quando Luiza chegou, sem avisar, ” to aqui” . Eu pausei o jogo.

Falei pra subir, eram cerca de 16h15, quase hora do chá, e ela chegou dizendo trazer ” coisinhas pro café”, ela adora diminutivos. Perguntou qual era a história do jogo e eu expliquei: O menino viu o cachorro dele ser abduzido, então ele constrói um equipamento que faz ele ter contato com essa força que levou o cão, e na casa dele da árvore ele consegue ir pra outra dimensão atrás do cachorro numa outra realidade onde tem seres e plantas que te atacam, terrenos complicados e de diferentes texturas. 

Ela ficou me olhando com sorriso fixo e com os olhos observando meu sorriso abrir também, mexeu na minha orelha e disse que adora quando eu falo dessas coisas que eu faço, encostando o sorriso no meu com um beijo e levantando pra alcançar uma torrada na sacola.

Tomamos um chá com alguma coisa do universo gourmet e acabamos dormindo nos primeiros minutos de filme e só acordamos pra ir do sofá pra cama.

Ela adora ficar em casa  no domingo, lê um pouco, vê uma série, responde de uns emails e pode ouvir uma música boa.

Muito pragmática e detalhista, mas tem dias que ela só quer mesmo sorrisos, cafuné com sol nascendo rodando baixinho um vinil na vitrola, e um pouco de atenção.